Ted Woods Iona © Ted Woods

Joanesburgo, África do Sul: O Governo de Angola e African Parks, uma organização de conservação sem fins lucrativos assinaram um acordo de gestão para o Parque Nacional de Iona, iniciando assim a sua primeira parceria para assegurar a protecção a longo prazo, de uma das mais vastas áreas protegidas do país. Iona é uma paisagem desértica emblemática, que se estende do litoral atlântico sobre dunas, planícies e montanhas. Abrange uma vasta área de 15,200 km2 que incorpora um novo bioma e novo país no portfólio de gestão de African Parks, que já inclui 17 parques em 11 países e perfazem um total de mais de 13.5 milhões de hectares.

“Estamos entusiasmados com o que o futuro guarda para o Parque Nacional de Iona através da parceria com African Parks que virá melhorar a sua gestão e restaurar a paisagem, em benefício da vida selvagem e das pessoas”, disse Aristófanes Romão da Cunha Pontes, Director Geral do Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC). “A nossa visão é mostrar as maravilhas naturais que Angola tem para oferecer às pessoas, e que as pessoas venham de todo o mundo desfrutar desta região significativa do planeta”.

Situado no deserto do Namibe no canto sudoeste de Angola, com uma costa acentuada de 160-km contígua ao Oceano Atlântico, Iona é uma das mais sublimes áreas selvagens, com férteis ecossistemas terrestres e marinhos. Os seus areais centrais estão delimitados a leste por montanhas que atingem alturas de 2 000 metros e a oeste por dunas ao longo de toda a costa. Alimentado por dois rios limítrofes, o Cunene e o Curoca, o parque contém bosques extensos e é habitado por chitas e leopardos, manadas de órix, gazelas e zebras de Hartmann, avestruzes, répteis endémicos e é o habitat principal das plantas mais antigas do mundo, Welwitschia mirabilis.

 “Este é um passo idealista para a conservação em Angola, e sentimo-nos excepcionalmente orgulhosos com esta parceria com o Governo para os assistir a gerir este formidável bem nacional”, disse Peter Fearnhead, Director Executivo de African Parks. “É um enorme empenho do Governo”.

African Parks agradece à Fundação Internacional do Grupo de Conservação pelo papel catalítico que desempenharam. O Grupo ICCF (sigla em inglês) actua como coordenador do sector privado para o Ministério do Ambiente Angolano, com vista a atrair investimentos do sector privado em eco-turismo e áreas protegidas. Susan Lylis, Vice-Presidente Executiva do Grupo ICCF disse: “Este acordo histórico para a co-gestão do Parque Nacional de Iona é algo que nos entusiasma, e acreditamos que resultará em efeitos transformacionais no desenvolvimento das comunidades e na conservação, permitindo que Iona se transforme em modelo extraordinário na região”.

O Parque Nacional de Iona é importante a nível da região, e faz parte de uma área de conservação transfronteiriça (TFCA) com o Parque Nacional da Costa dos Esqueletos, na Namíbia. Historicamente, o parque era habitado por rinocerontes e elefantes, mas ambas estas espécies desapareceram por completo desta área e outros animais selvagens também foram dizimados. As actividades humanas descontroladas das populações periféricas e do parque, incluindo a pastagem de gado, colocam ainda mais pressão nos seus ecossistemas. 

African Parks e o Governo de Angola trabalharão juntamente com as comunidades locais para restaurar a boa aplicação da lei e a vida selvagem, de modo a garantir a sustentabilidade ecológica, social e económica de longo-praz, de Iona. As suas montanhas espectaculares, a topografia desértica e costeira tornam esta área transfronteiriça única no mundo, conferindo ao parque enorme potencial com o investimento adequado, para emergir como uma das experiências paisagistas mais extraordinárias do continente. A conservação adequada e a optimização do turismo com outras actividades de geração de receita sustentável, contribuirão a que Iona possa continuar a apoiar ecossistemas terrestres e marinhos para benefício humano, por um futuro longo.       

Para acesso a artigos mediáticos, por favor clique aqui

###

Acerca de African Parks: African Parks é uma organização de conservação sem fins lucrativos que assume responsabilidade total pela reabilitação e gestão de longo-prazo de parques nacionais, em parceria com governos e comunidades locais. Com a maior força de combate à pesca e caça ilegais e o maior total de áreas sob protecção para uma ONG em África, African Parks administra 17 parques nacionais em 11 países que abrangem 13.5 milhões de hectares em Angola, Benim, República Central Africana, Chade, República Democrática do Congo, República do Congo, Malaui, Moçambique, Ruanda, Zâmbia e Zimbábue. Para mais informação visite www.africanparks.org, Twitter, Instagram e Facebook

Acerca do Ministério do Ambiente de Angola (MINAMB) e do Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC): O Ministério do Ambiente (MINAMB), é o Departamento Ministerial auxiliar do Presidente da República e Chefe do Órgão Executivo. A sua missão é propor a formulação, transmissão, execução e controlo da política do Executivo em relação ao ambiente na área de protecção, preservação e conservação da qualidade do ambiente, controlo da poluição, biodiversidade terrestre e aquática, áreas de conservação e melhoramento do património natural, bem como a preservação e o uso racional de recursos naturais renováveis e inesgotáveis. O Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC) foi criado para assegurar a implementação da Política de Conservação da Biodiversidade e a Gestão do Sistema Nacional de Áreas de Conservação.

Acerca do Grupo ICCF: O Grupo ICCF avança a liderança a nível global na área da conservação e encoraja melhor vontade política nas legislaturas e apoia governos na gestão sustentável das suas áreas protegidas. A reputação internacional do Grupo ICCF no apoio a resultados legislativos, parcerias público-privadas & iniciativas de gestão agrária sustentável demonstra que o seu modelo específico é solução económica e sustentável aos desafios de governação da conservação.